jump to navigation

Razões para acreditar? Ou para se acomodar? 7 - junho - 2011

Posted by Marcos Reis in Autoria própria, Citações, Igualdade social, Opinião, Polêmica, Política.
2 comments

Não gosto da propaganda da Coca-Cola sobre “razões para acreditar”. A música é ótima e os números são bonitinhos. Só.

Os maus podem até ser a minoria, mas estão em ação. Então, de que adianta os bons serem a maioria se ficarem inertes?

Baseado em um estudo sobre o mundo atual…

40Para cada pessoa que diz que as coisas vão piorar existem 100 casais planejando ter filhos. E daí?! Cadê o nexo entre os fatos? A verdade é que enquanto casais planejam ter filhos, existem centenas de crianças abandonadas ou em situação de risco. Isso sim tem nexo, isso é relevante e real.

Para cada corrupto existem 8 mil doadores de sangue. Acontece que a ação de um único corrupto (tipo um Palocci) prejudica a vida de milhões de pessoas! E, diga-se de passagem, os bancos de sangue continuam vazios… Cadê o pessoal “sangue bom”?

Enquanto alguns destroem o meio ambiente, 98% das latinhas de alumínio são recicladas no Brasil. E qual a situação das pessoas que passam o dia catando essas latinhas? E dos filhos dessas pessoas? Tá todo mundo numa boa, tomando Coca e cantando afinado no fim do dia?

post_china2Para cada tanque fabricado no mundo são feitos 131 mil bichos de pelúcia. A maior parte desses bichos fofinhos são feitos na China, por pessoas que possivelmente trabalham em condições tão precárias que beiram a escravidão.

Na internet, amor tem mais resultados que medo. Ah, q legal esse mundo virtual! E nas nossas ruas, as pessoas andam se amando ou se temendo?

Para cada arma que se vende no mundo, 20 mil pessoas compartilham uma Coca-Cola. Bonito. E irrelevante. Tomar Coca é gostoso, mas irrelevante pro mundo.

Não quero ser o pessimista ou o terrorista, mas não dá pra acreditar que nosso mundo tá tão bonitinho assim. Ele pede com urgência por ações que tragam esperança, não para confortar, mas para transformar.

O video é uma faca de dois gumes: pode tanto motivar aqueles (poucos) que tem feito algo em prol do próximo, quanto servir de desculpa para aqueles (muitos) que estão acomodados.

Fica o alerta.

Anúncios

Hope Rise – A esperança se levanta 9 - novembro - 2010

Posted by Marcos Reis in Autoria própria, Citações, O homem e Deus.
1 comment so far

1289333837830_fO corpo de um jovem deita em sono eterno. E a esperança se levanta. Hope rise!

A esperança de que nem a morte poderá nos separar do amor de Deus (Rm 8:38-39). A esperança de que por mais que esse mundo mal castigue a carne, nosso espírito eterno está guardado junto de Deus (Jo 10:28-29). A esperança de que neste momento seus irmãos e irmãs em Cristo dão um triste “até mais”, e não um desesperado “adeus”. A esperança de que a dor, por mais intensa que possa ser, um dia há de ter fim. Nem que seja naquele lugar “onde não haverá mais lágrimas, nem choro se ouvirá; Onde juntos todos viveremos, face a face O veremos” (Of. G3). Um dia terá fim, nAquele dia. “Eu desejo tanto ver O Dia chegar…” (L. de Carvalho)

Que se levante a esperança para a família, diariamente! Que se levante a esperança para os amigos que ainda não provaram a fonte de paz que excede todo o entendimento, eternamente! (Fp 4:7)

Hope, rise! Diariamente e eternamente.

Amém.

 

Foto extraída de Aquela paz ♪

Comentários

Sem fazer nada… 27 - agosto - 2010

Posted by Marcos Reis in Citações, Opinião.
3 comments

200457800-001

"Lamentavelmente tornou-se aceitável frequentar uma igreja semana após semana sem fazer nada e ainda se considerar um seguidor de Cristo"

"Regrettably, it has become acceptable to sit in church week after week and do nothing but call yourself a follower of Christ" @TransformChurch

Uma frase que leva à reflexão, que no meu caso gerou isso:

1) O que a frase quer dizer? Sem fazer nada no templo? Sem fazer nada na sociedade? Sem fazer nada no círculo de amigos? Ou sem fazer nada em lugar algum, a apatia completa?

2) Do que a frase se trata? Não se trata de salvação, pois a salvação não está ligada às obras. Se trata da mente cristã.

3) Considerando que se trate de Concordo que não há como unir a imagem de uma pessoa apática à de um cristão. Afinal, Jesus sempre foi uma pessoa de ação. Ele é o Verbo! Mas, quem de nós saberia tanto a respeito da vida de alguém para julgá-lo como apático? Talvez por isso a frase sabiamente fala sobre "se considerar" e não "considerar os outros".

4) Considerando o ativismo a frase também se aplica. Não tem uma atitude cristã quem faz um monte de coisas irrelevantes para o meio no qual está inserido. Além de ativo, Jesus sempre foi altruísta. Tudo que ele faz é relevante para os outros, vai de encontro às reais necessidades que as outras pessoas têm! As ações relevantes deveriam ser uma forte marca do Cristianismo, onde quer que ele estivesse representado por um cristão.

5) Nem sempre as ações relevantes aparecem dentro do templo. E nem sempre as ações dentro do templo são relevantes. Por isso acho que a frase não se restrinje à "ações templárias", por assim dizer.

Na História, na campanha ou na estatística? 19 - maio - 2010

Posted by Marcos Reis in Autoria própria, Citações, Links, Opinião, Política.
add a comment

Olha essa historinha*:

A única fresta que eu tive para estar aqui onde eu estou foi a educação, sendo alfabetizada pelo MOBRAL aos 16 anos, tendo entrado numa sala de aula que eu não sabia nem responder "presente". A professora me chamou e eu fui na mesa dela. Quando eu fui na mesa dela ela perguntou: "O que que você tá fazendo aqui, você é abestada? Quando a gente chama, se responde presente." Hoje a gente até ri, mas naquela época eu fiquei muito envergonhada, quase nunca mais voltei naquela escola, mas eu pensei: se eu não voltar vão me  chamar de abestada pelo resto da vida. Eu voltei e estamos aqui falando sobre educação e graças a Deus hoje eu sou professora de história no ensino médio, com duas especializações: uma em psicopedagogia e a outra em teoria psicanalítica.

E vc? Vai votar com base na História, na campanha ($$) ou na estatística? Ou pior, vai no “modo alien automático”?

Eu vou votar com base na minha percepção da história:

MarinaDilmaSerra (Wikipedia, um bom começo)

Quem não tem base acaba indo pra urna de acordo com a$ campanha$. Pra mim tinha que trocar o horário eleitoral na TV por tempo de debate!

Quanto à estatística? “Ó” pra ela! Eleição é pra ser uma expressão da democracia e não da pesquisocracia!

Deixei aí um monte de links e coisarada. Quero sugerir também as entrevistas dos candidatos no Painel RBS, que podem ser assistidas aqui: Marina / Dilma / Serra

OqueTuAcha?

Desisti de escrever sobre os aliens, concordo com os comentários, a lista é gigante e não vale a pena perder tempo falando sobre eles. Eu mesmo luto contra a alienação todos os dias. Vacilou, alienou! Então cada um brinca de identificar os seus e eu já parti pra outro assunto.

Crianças e consumo 15 - março - 2010

Posted by Marcos Reis in Citações, Datas comemorativas, Opinião.
add a comment

sb10067375h-001

As crianças brasileiras influenciam 80% das decisões de compra de uma família¹. Isso pela permanente exposição da garotada a ações e campanhas que estimulam o consumo algumas vezes de forma inconsequente. Como reflexo do consumo exacerbado: obesidade infantil, erotização precoce, violência urbana pela busca exagerada de produtos caros e diminuição de brincadeiras criativas, dizem especialistas.

Para ampliar o debate e provocar uma visão crítica, o ministério público está desenvolvendo o projeto do Consumidor Consciente e, hoje, Dia do Consumidor, realiza seminário, no qual especialistas e alunos vão bater um papo sobre a questão. A ideia é estimular os jovens a questionar o consumo excessivo e o valor que é dado aos bens materiais em detrimento de outros, como ética e dignidade.

Fonte: Zero Hora, 15/03/10, pg. 20 – Maria Isabel Hammes  (bela.hammes@zerohora.com.br)

——

1 – Pesquisa do TNS/InterScience.

Devo dizer pra ela abortar? 10 - março - 2010

Posted by Marcos Reis in Autoria própria, Citações, Opinião, Polêmica.
1 comment so far

Me arrisco a postar um texto mais longo, com um conteúdo polêmico e refletir sobre ele em um meio público. Qualquer caso de aborto é polêmico e envolve uma triste história. Porém sugiro 10 reflexões…

1. Se o aborto é a solução apenas para manter o status quo da rotina da mãe ou da estrutura familiar, é um ato de egoísmo.

2. Se o aborto é realizado em detrimento de questões financeiras, caracteriza uma inversão dos valores básicos da vida.

3. Se a mãe está preocupada com a vida futura do bebê, não é coerente que ela o impeça de viver.

4. Se o aborto é a solução para aliviar a culpa da mãe por um ato que ela poderia ter evitado, ele caracteriza um ato de egoísmo da mãe.

5. Para a infelicidade da mãe (mas para uma atitude coerente com a ética), se um filho gerado atrapalha os objetivos de vida da mãe, os objetivos não deveriam ser realinhados em detrimento da vida da criança?

6. Deve-se cuidar da mãe que aborta no sentido de tratar os possíveis traumas físicos e psicológicos da prática do aborto além de conscientizá-la sobre métodos contraceptivos.

7. Até que ponto é ético que alguém receba dinheiro pago pela mãe para realizar um aborto? Se a mãe foi injustiçada no ato da concepção, ela é novamente injustiçada por pagar por um ato que não é culpa dela. E quem recebe esse dinheiro pode ser considerado um ser ético?

8. A questão da legalidade ou ilegalidade do aborto não necessita de amparo da cultura religiosa. Não é produtivo abordar o tema aborto partindo de valores religiosos. Qualquer valor estritamente religioso é discutível.

9. Se a proibição do aborto numa gravidez em cirunstâncias normais é um ato de desrespeito com o corpo da mulher, o que dizer da legalização do aborto em desrespeito ao corpo do feto?

10. Em caso de abuso, estupro e real risco de vida para a mãe, cabe dar à mãe a chance de uma escolha. Esta escolha já está prevista em lei.

Sugiro refletir sobre o tema do aborto à luz do infanticídio de meninas na Índia¹, e de crianças em alguns povos indígenas no Brasil². Também sugiro assistir a um contraponto impactante do vídeo acima: “Gianna Jessen – Sobrevivente de um aborto (parte 1)”.

1 – As meninas que não nasceram (Notícias IPS) e Mulher indiana: vida de sacrifícios (extraído da Revista Portas Abertas, Vol 28, Nº3).

2 – Campanha Contra o Infanticídio Indígena (Video de hakani.org)